betboo - Uma nova era de carros elétricos mais acessíveis?

Modelo pode representar um passo importante na popularização dos elétricos

Novo Volvo EX30 2025
(Foto: Divulgação)

A descoberta do Volvo EX30 2025 na semana passada pode ser considerada um momento crucial para a indústria automotiva nos Estados Unidos. Com uma potência de 268 cavalos de tração traseira, o EX30 oferece uma autonomia de 275 milhas e um preço inicial de $ 36.145. Isso coloca a Volvo como uma das poucas montadoras a oferecer um veículo elétrico abaixo de $ 40.000.

É verdade que o EX30 é mais caro do que o Chevrolet Bolt EV 2023, que tem uma autonomia de 259 milhas e um preço inicial de menos de $ 28.000. No entanto, o Bolt será descontinuado até o final deste ano. A General Motors ainda não lançou o Chevrolet Equinox EV prometido por $ 30.000, deixando uma lacuna de opções acessíveis. Outra alternativa é o Hyundai Kona Electric 2023, com uma autonomia de 258 milhas e preço sugerido a partir de US $ 35.000.

Novo Volvo EX30 2025 ev
(Foto: Divulgação)

No entanto, há uma ressalva: o EX30 é fabricado na China. O preço competitivo inclui uma tarifa de 25% sobre todos os veículos fabricados na China e importados para os EUA, destacando o baixo custo de produção na China.

O preço médio de carros novos nos EUA agora ultrapassa $ 48.000, principalmente devido à preferência por caminhonetes leves em vez de carros de passeio. Isso cria uma grande oportunidade para a China, que tem uma suposta vantagem de custo de cerca de US $ 10.000 na produção de veículos elétricos compactos. No entanto, apenas uma marca chinesa, a Polestar, obteve aprovação para vender seus veículos elétricos em grande volume nos EUA.

Os carros chineses já estão presentes no mercado americano

Novo Volvo EX30 2025 elétrico
(Foto: Divulgação)

Atualmente, dezenas de milhares de carros a gasolina fabricados na China são vendidos nos EUA todos os anos, sob marcas conhecidas. Em 2022, destacaram-se os Buick Envisions, com quase 26.000 unidades, e pouco menos de 1.000 sedãs de luxo Volvo. Esses números superam o total de outros carros fabricados na China, que incluem 9.850 hatchbacks elétricos Polestar 2. Tanto a Volvo quanto a Polestar fazem parte da fabricante chinesa Geely.

No entanto, a Polestar ainda é uma marca desconhecida para muitos americanos. Em comparação, a Buick é uma marca menor dentro do portfólio da GM, que inclui a Chevrolet (1,5 milhões) e a GMC (500.000). Embora as vendas da Volvo no ano passado tenham atingido 102.000 unidades, equiparando-se às vendas da Buick, a Volvo é uma marca de prestígio que atrai compradores de veículos elétricos e tem planos ambiciosos nesse segmento.

Apesar das intenções da Polestar de fabricar seu SUV elétrico Polestar 3 nos EUA, veremos pelo menos mais um modelo a gasolina fabricado na China este ano: o luxuoso SUV Lincoln Nautilus, ambos produzidos na China para exportação global. As importações chinesas não são um assunto que os fabricantes americanos gostam de discutir. A General Motors optou por produzir suas versões americanas dos SUVs compactos Buick Encore GX e Buick Envision, desenvolvidos na China, na Coreia do Sul, em vez de importá-los da China como o Envision.

A primeira tentativa da China

Novo Volvo EX30 2025 bateria
(Foto: Divulgação)

Se conversarmos com jornalistas que cobrem a indústria automotiva há algum tempo, eles se lembrarão do ano em que cinco montadoras chinesas exibiram seus carros no Salão do Automóvel de Detroit, embora em um espaço menor e com materiais de imprensa menos sofisticados. Isso aconteceu há 15 anos, em 2008.

Naquela época, havia um medo generalizado de uma “invasão chinesa” de novos carros. A ideia era que os fabricantes chineses seguiriam o exemplo das empresas japonesas nas décadas de 1960 e 1970, e das empresas sul-coreanas nas décadas de 1980 e 1990, lançando veículos mais baratos do que os concorrentes existentes e melhorando continuamente sua qualidade.

No entanto, quando a imprensa viu os carros chineses, ficou claro que eles não estavam preparados para os EUA ou competitivos em qualquer país desenvolvido. O interesse nos carros fabricados na China diminuiu rapidamente após a recessão da indústria automotiva, que resultou na falência e reestruturação forçada de duas das três montadoras americanas pela Força-Tarefa da Casa Branca.

Dois anos depois, a BYD anunciou que venderia seu veículo utilitário crossover elétrico de cinco passageiros na Califórnia até o final de 2010. O BYD e6 foi certificado para venda com uma autonomia de 122, 127 ou 187 milhas (dependendo do ano), mas apenas algumas centenas foram vendidas entre 2012 e 2020. O CEO Wang Chuanfu afirmou à Bloomberg em março que não há planos para vender carros nos Estados Unidos tão cedo. Atualmente, a BYD está focada em seus negócios de ônibus elétricos e caminhões pesados.

O objetivo: dominar globalmente os veículos elétricos

carros elétricos
(Foto: Divulgação)

Em agosto de 2014, o Partido Comunista Chinês divulgou um longo documento intitulado “Made in China 2025”. Esse documento delineava a política industrial e destacava diversas áreas de tecnologia avançada nas quais a China precisava se tornar líder mundial, incluindo metais e minerais para baterias, processamento desses materiais, fabricação de células e baterias, e veículos elétricos.

Em 2014, o mercado de veículos elétricos ainda estava em seus primórdios. A Tesla estava lutando para aumentar a produção do Modelo S, e a GM ainda estava vendendo o híbrido plug-in Chevy Volt, um conceito que a maioria dos compradores de carros não entendia completamente. O hatchback Nissan Leaf 2014 tinha uma autonomia insignificante de 84 milhas, o que resultava na rejeição da maioria dos compradores.

A China percebeu que tinha pouco a contribuir para o desenvolvimento de veículos com motores de combustão interna, mas enxergou o futuro nos veículos elétricos e começou a controlar sistematicamente todas as partes desse futuro.

Novo Volvo EX30 2025 lançamento
(Foto: Divulgação)

Atualmente, a maioria dos metais e minerais utilizados nas baterias precisa ser processada na China. O país é o maior fabricante de células de bateria do mundo. No ano passado, suas vendas de veículos elétricos representaram 29% de todas as vendas de veículos novos na China, totalizando 5,9 milhões de unidades, mais da metade dos 10 milhões vendidos em todo o mundo.

A chamada Lei de Redução de Dependência do Exterior, assinada em agosto do ano passado, continha disposições rígidas que limitavam os incentivos do governo dos EUA a veículos fabricados na América do Norte. As células e os pacotes de bateria devem ser feitos aqui a partir de metais e minerais provenientes de uma lista restrita de países (que não inclui a China). No entanto, há uma brecha: qualquer veículo elétrico, incluindo os fabricados na China, pode obter todos os incentivos se for alugado em vez de comprado.

Essa lei também oferecia grandes subsídios diretos para a produção americana de células e baterias. Um novo relatório do Centro de Política Energética Global da Universidade de Columbia sugere que a China aumentará seu domínio da produção global de ânodos e cátodos até 2030, apesar dos esforços de outros países para desenvolver componentes e produção de baterias em solo próprio.

carros elétricos Brasil
(Foto: Divulgação)

A curto prazo, é improvável que a China consiga construir versões elétricas de picapes de tamanho normal e grandes SUVs, que são os modelos nos quais Detroit está investindo novamente. Além disso, os veículos chineses não se qualificarão para incentivos completos. No entanto, sua vantagem de custo parece ser tão significativa que eles poderiam dominar uma grande parte do mercado de veículos elétricos com carros de passeio menores e SUVs, modelos mais adequados para vendas em outros países, onde picapes grandes e SUVs como o Chevy Suburban simplesmente não são populares.

Tudo isso para dizer que a China tem uma posição dominante no mercado de veículos elétricos, suas baterias e os minerais e metais envolvidos na produção desses veículos. O Volvo EX30 pode representar um avanço significativo nos esforços da China para conquistar uma fatia substancial das vendas de veículos elétricos na América do Norte. E o mais interessante é que não se trata da BYD, da Nio, da Xpeng ou de qualquer outra startup chinesa desconhecida pelos compradores americanos. O carro vem com um emblema sueco bem conhecido, respeitado e reconfortante que existe há décadas. Essa pode ser a maneira mais fácil para os fabricantes chineses entrarem no mercado americano.

Leia também:

“Irmã” da Fiat Toro: Picape RAM Rampage começa a ser fabricada em Pernambuco

Nova Fiat Toro 2024: Preço, consumo, versões e ficha técnica